Artigos

Fertilizantes para sua lavoura: como e qual usar?

25 DE Novembro de 2021

É importante escolher os fertilizantes ideais para sua lavoura. Veja no que você precisa estar atento para saber as necessidades de cada cultura.

Todas as plantas precisam de nutrientes para que possam se desenvolver completamente, mas como todo produtor sabe, nem sempre o solo está fértil. É justamente para resolver essa questão que existe o fertilizante.

Usados na agricultura para aumentar a quantidade de nutrientes no solo e, consequentemente, a produtividade da colheita, os fertilizantes são fundamentais para o desenvolvimento das plantas.

Mas, como escolher o fertilizante correto? Vamos te explicar a seguir!

O que é preciso saber para escolher os fertilizantes para sua lavoura?

Você já sabe que um solo fértil é um solo rico em nutrientes. Mas, para saber exatamente quais nutrientes a sua plantação precisa, é preciso estar atento a alguns sinais.

A seguir, vamos te contar quais são os nutrientes mais importantes para o desenvolvimento das plantas e quais são os sintomas que elas apresentam quando esses nutrientes estão em falta.

Macronutrientes primários

Os macronutrientes primários são aqueles cujas plantas têm uma necessidade maior de absorção, para conseguirem atingir o desenvolvimento pleno. São eles:

Nitrogênio (N)

Esse é um dos nutrientes mais importantes para o desenvolvimento das plantas, já que está presente em todas as suas fases, desde o crescimento, até a floração e frutificação. Mas, para isso, ele precisa ser utilizado nas proporções corretas.

Em excesso, ele pode:

  • Causar crescimento acelerado;
  • Aumentar a propensão da planta a doenças;
  • Atrapalhar a floração;
  • Reduzir o ciclo de vida.

Já em poucas quantidades, ele:

  • Diminui o crescimento foliar;
  • Aumenta o sistema radicular;
  • Causa clorose foliar;
  • Leva ao amarelecimento;
  • Causa queda das folhas.

De maneira geral, os sintomas começam a aparecer nas partes mais velhas das plantas.

Fósforo (P)

Fundamental para a formação das plantas, o fósforo também atua na produção de energia, na respiração, na divisão celular e em outros processos metabólicos.

Os sinais de carência de fósforo, são:

  • Redução do crescimento do caule e das raízes;
  • Aparecimento de necroses nas folhas e pecíolos;
  • Folhas jovens com tendência a escurecer ou ficarem azuladas, enquanto as mais velhas ficam com tonalidade avermelhada.

Inicialmente, os sintomas são mais visíveis nas partes velhas da planta.

Potássio (K)

O potássio, junto com o nitrogênio, é um dos nutrientes mais consumidos pelas plantas. Sua presença é fundamental, especialmente para a formação das raízes e o amadurecimento dos frutos.

Quando em falta, ele causa:

  • Baixo crescimento vegetal;
  • Clorose matizada da folha;
  • Manchas necróticas;
  • Folhas enroladas e curvadas sobre a face superior;
  • Encurtamento entrenós.

No início, esses sinais geralmente são visíveis nas partes mais velhas da planta.

Macronutrientes secundários

Assim como os nutrientes anteriores, as plantas também precisam de quantidades consideráveis dos macronutrientes secundários. Porém, essa quantidade é menor em comparação com os primários. São eles:

Cálcio (CA)

Fundamental para o fortalecimento de todos os órgãos das plantas, especialmente das raízes e folhas. Em excesso, ele pode alterar o ritmo da divisão celular.

Já, sua carência leva à:

  • Má formação nas folhas jovens;
  • Encurvamento dos ápices;
  • Clorose marginal, podendo evoluir para necrose, até causar a morte da folha, da extremidade para o centro;
  • Redução do crescimento radicular;
  • Mudança da coloração das raízes para castanho.

De maneira geral, os sintomas começam a aparecer nas partes mais jovens da planta.

Enxofre (S)

Com participação fundamental no metabolismo energético das plantas, a falta de enxofre causa os seguintes sinais:

  • Redução do crescimento vegetal;
  • Clorose foliar;
  • Folhas mais escuras e opacas, com tons amareloesverdeados.

Vale ressaltar que os sintomas normalmente começam nas zonas mais jovens da planta.

Magnésio (MG)

O magnésio é um dos nutrientes que compõem a molécula da clorofila, estando diretamente ligado ao metabolismo energético.

Em excesso, ele:

  • Interfere na absorção do cálcio e do potássio.

Já a carência, causa:

  • Cloroses entre as nervuras, se espalhando das margens para o centro das folhas;
  • Encurtamente entrenós;
  • Diminuição do crescimento vegetal;
  • Inibição da floração;
  • Morte das folhas de maneira prematura;
  • Degeneração dos frutos.

No início, os sintomas são mais persistentes nas zonas mais velhas da planta.

Micronutrientes principais

Extremamente importantes, os micronutrientes principais precisam ser absorvidos em quantidades menores para que seja possível alcançar o potencial produtivo máximo. Nesse grupo, se encaixam:

Boro (B)

Fundamental para o metabolismo de carboidratos e transporte de açúcares, ele também atua na divisão celular e garante maior força e resistência à planta.

Sua carência:

  • Prejudica os órgãos da reserva;
  • Desorganiza os meristemas;
  • Causa morte das extremidades caulinares;
  • Deixa os pecíolos quebradiços;
  • Causa floração suprimida;
  • Leva à má formação de frutos e sementes anormais.

De maneira geral, os sinais da falta de boro começam nas zonas mais jovens da planta.

Cobre (CU)

Fundamental para a fotossíntese, respiração e outras funções, a carência do cobre:

  • Muda a tonalidade das folhas, deixando-as verde-azuladas;
  • Deixa as folhas deformadas e enroladas, mas alongadas;
  • Deixa as margens cloróticas voltadas para baixo;
  • Nos cereais, a extremidade da folha fica branca e pode cair.

Os sintomas iniciais geralmente se manifestam primeiro nas partes jovens da planta. 

Ferro (FE)

Importante para a síntese da clorofila e divisão celular, o ferro também atua na fixação do nitrogênio e desenvolvimento de troncos e raízes.

Sua carência causa:

  • Clorose foliar, cujas nervuras se mantém verdes;
  • Redução do crescimento vegetal;
  • Diminuição do desenvolvimento de primórdios foliares.

Nesse caso, os primeiros sintomas também se apresentam nas zonas jovens da planta.

Manganês (MN)

Fundamental para a fotossíntese e síntese da clorofila, a falta do manganês pode ser percebida a partir dos seguintes sinais:

  • Clorose intervenal nas partes mais jovens da planta;
  • Enrolamento;
  • Queda de folhas;
  • Pontos necróticos espalhados pelas folhas.

O surgimento dos primeiros sinais geralmente ocorre nas zonas mais velhas.

Zinco (ZN)

Com papel importante na fotossíntese, respiração, controle hormonal, entre outros, a carência do zinco, causa:

  • Inibição do crescimento vegetal;
  • Impede o alongamento do caule e a expansão foliar;
  • Interfere na frutificação;
  • Necrosa o limbo foliar, conforme os sintomas se agravam.

De maneira geral, os primeiros sinais da falta de zinco se apresentam nas zonas jovens da planta.

Tipos de fertilizantes

Como dissemos anteriormente, é a partir das necessidades da planta que você poderá saber qual é o fertilizante ideal para a sua plantação. Sendo assim, após identificar os sinais, fica mais fácil fazer a escolha.

Para te ajudar nessa tarefa, preparamos a tabela abaixo, com a composição e indicação de alguns dos fertilizantes da BRFértil.

Tabela de fertilizantes

Finalmente, esperamos que após esse texto fique mais fácil para você escolher os fertilizantes perfeitos para a sua plantação. Mas se você ainda está com dúvidas, nossos especialistas podem te ajudar.

Com uma consultoria completa, nossa equipe pode te ajudar a aumentar a produtividade de cultivos específicos. Basta clicar aqui e enviar sua mensagem.

Veja Também

Política de Privacidade