Artigos

Flash USDA Oferta e Demanda – 09 de novembro de 2021

09 DE Novembro de 2021

EUA têm corte em produção e exportação de soja; Brasil ganha terreno

O relatório mensal de oferta e demanda de novembro,  divulgado nesta terça-feira (09) pelo USDA, veio na contramão das expectativas do mercado e, ao invés de elevar a estimativa de produção de soja na safra 2021/22 dos EUA, que já está em reta final de colheita, fez uma redução via produtividade mais baixa. A produção, que no mês passado era projetada em 121,1 milhões de toneladas, recuou para 120,4 milhões de toneladas.

Mesmo assim, houve incremento na estimativa dos estoques finais de 2021/22 porque, conforme esperado, o USDA cortou a estimativa de exportação, que passou de 56,9 milhões para 55,8 milhões de toneladas.

Ajustes na China

No quadro mundial, o USDA fez um ajuste de fim de calendário na importação chinesa da temporada 2020/21, que subiu de 99 milhões para 99,8 milhões de toneladas. Em contrapartida, houve corte na estimativa para 2021/22, que passou de 101 milhões para 100 milhões de toneladas.

Brasil exporta mais

Mesmo assim, devido à menor competitividade da soja dos EUA e a mais um incremento na safra velha do Brasil, houve espaço para aumentar a exportação brasileira 2021/22 (embarques de out/21 a set/22), que subiu de 93 milhões para 94 milhões de toneladas.

Menos soja na Argentina

Já a produção 2021/22 do Brasil foi mantida em 144 milhões de toneladas, enquanto a da Argentina, agora mais em linha com fontes locais, caiu de 51 milhões para 49,5 milhões de toneladas devido à redução de área.

EUA Oferta e Demanda de Soja

USDA/AGRURAL  Área em milhões de hectares, produtividade em sacas de 60 kg por hectare e demais itens em milhões de toneladas, exceto % e dias.

EUA  Produção de Soja

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas. *USDA nov/21.

EUA  Exportação de Soja

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas. *USDA nov/21.

EUA  Estoques Finais de Soja

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas. *USDA nov/21.

MUNDO  Oferta e Demanda de Soja

USDA/AGRURAL  E milhões de toneladas, exceto % e dias.

Etanol evita aumento dos estoques de milho nos EUA

No milho, o relatório mensal de oferta e demanda do USDA veio em linha com o que se esperava: aumento na produção 2021/22 dos EUA (de 381,5 milhões para 382,6 milhões de toneladas) via produtividade mais alta; manutenção das exportações em 63,5 milhões de toneladas (ainda é cedo para mexer) e aumento no uso de milho para etanol, que saltou para 133,4 milhões de toneladas. Por isso, mesmo com produção maior, a projeção de estoques finais caiu ligeiramente em relação a outubro.

Brasil exporta menos; Argentina brilha

No quadro mundial de milho, o USDA reduziu a exportação 2020/21 (embarques de mar/21 a fev/22) do Brasil, que caiu de 20 milhões para 17,5 milhões de toneladas, e aumentou a produção e a exportação da safra velha da Argentina, respectivamente para 50,5 milhões e 38,5 milhões de toneladas. Também houve incremento na importação chinesa, que foi revisada para 29,5 milhões de toneladas.

Mais milho na Argentina

No quadro 2021/22, o USDA aumentou produção e exportação da Argentina, mas manteve inalterados os outros principais números, como produção e exportação do Brasil e da Ucrânia e importação da China.

EUA  Oferta e Demanda de Milho

USDA/AGRURAL  Área em milhões de hectares, produtividade em sacas de 60 kg por hectare e demais itens em milhões de toneladas, exceto % e dias.

EUA  Produção de Milho

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas. *USDA nov/21. 

EUA  Consumo de Milho

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas. *USDA nov/21.

EUA  Estoques Finais de Milho

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas. *USDA nov/21.

MUNDO  Oferta e Demanda de Milho

USDA/AGRURAL  Em milhões de toneladas, exceto % e dias.

Veja Também

Política de Privacidade